Conheça as orientações sobre os primeiros alimentos a dar ao bebé na introdução dos sólidos. Informe-se com o médico ou pediatra.
Ana Margarida Marques

Os primeiros meses de vida são essenciais para promover o crescimento saudável, bem como hábitos alimentares saudáveis.

Além disso, a alimentação saudável na infância contribui para a prevenção de doenças na idade adulta.

Para ajudar os pais a dar resposta aos desafios da dieta do bebé, a pediatra Carla Rêgo dá orientações genéricas sobre a introdução de primeiros alimentos sólidos ou semi sólidos. No entanto, as orientações podem variar consoante o/a médico ou pediatra, além de que cada criança tem as suas especificidades no campo da alimentação.

Vegetais

Inicie a diversificação alimentar com um caldo ou puré de legumes. Em primeiro lugar, comece por utilizar a batata, a cenoura, a abóbora, a cebola, o alho, o alho-francês, a alface e a couve-branca.

A partir dos 12 meses introduza na dieta o espinafre, o nabo, a nabiça, a beterraba e o aipo. A confeção dos caldos e dos purés, aconselha-se a adicionar 5 ml a 7,5 ml de azeite em cru a cada dose de puré ou caldo de legumes. 

Leguminosas

As leguminosas secas, como o feijão, a ervilha, a fava, a lentilha e o grão, são uma fonte importante de proteína vegetal.

Assim sendo, as leguminosas podem ser introduzidas na dieta a partir dos nove/dez meses, recomenda a pediatra.

Frutas

O bebé deve comer frutos de modo regular e variado. Ofereça a fruta individualmente, para o bebé treinar o paladar, e consumidos inicialmente cozidos e em puré e progressivamente mais inteiros, sem estarem líquidos sob a forma de sumo.

A única bebida ingerida deve ser a água, essencial a todas as funções vitais e dada de forma regular ao longo do dia (400/600 – 1000 ml).

A banana, a maçã e a pera são normalmente os primeiros frutos a entrar na dieta sólida do bebé. Opte por cozer ou assar a maçã e a pera com casca e caroço.

Pelo contrário, no primeiro ano de vida, evite dar ao bebé o morango, o kiwi, a amora e outros frutos potencialmente causadores de alergias. 

Carne e peixe

A carne e o peixe fornecem proteínas e outros nutrientes essenciais para o desenvolvimento do bebé. Porém, são alimentos associados a um risco acrescido de obesidade quando ingeridos em quantidades elevadas, particularmente entre os oito e os 24 meses.

O peixe é rico em aminoácidos essenciais e tem baixo teor de gordura ou gordura rica, como o salmão, arenque, atum, sardinha, cavala. De igual forma, o peixe de mar é também rico em iodo, beneficiando o bebé. Quando o bebé completa os sete meses, pode introduzir peixe magro como a pescada, linguado e solha.

Contudo, o elevado teor de gordura de peixes como o salmão pode estar associado ao risco de intolerância digestiva no bebé. Estes tipos de peixe aconselham-se só depois dos dez meses e em pequenas porções, não mais de 15 g por dose.

Ovo

Inclua o ovo na dieta a partir dos nove meses, de forma gradual e lenta. O bebé deve comer uma gema de cada vez. Não acompanhe a gema de qualquer outra proteína animal. De igual forma, não deve dar ao bebé mais de duas a três gemas por semana. Pode oferecer a clara do ovo a partir dos 12 meses. Seja como for, os bebés com alergia devem apenas comer a clara do ovo após os dois anos.

Por último, é importante frisar que os pais devem recorrer ao médico assistente ou pediatra para esclarecer as suas dúvidas.