Dicionário de Saúde

Conheça os sintomas e saiba como tratar as doenças mais comuns na criança.

A

Amigdalite

A amigdalite é uma inflamação das amígdalas, também conhecida por angina ou tonsilite.

Causas
Normalmente é causada por uma infeção viral ou, com menos frequência, por uma infeção bacteriana.

Sintomas
– Garganta muito inflamada
– Amígdalas vermelhas, possivelmente cobertas de manchas esbranquiçadas
– Dor de garganta
– Dor ao engolir
– Dor de ouvidos
– Febre
– Tosse
– Dor de cabeça

Tratamento
Uma das medidas para aliviar os sintomas da amigdalite é a administração de analgésicos e antipiréticos, para fazer baixar a febre. Para isso, os pais devem procurar ajuda do médico assistente. É também importante garantir uma boa hidratação, dando líquidos em abundância à criança e proporcionando-lhe uma dieta leve, com bebidas frias e alimentos líquidos e semilíquidos. Os sintomas normalmente desaparecem em três/quatro dias. Quando se trata de uma amigdalite bacteriana, é necessário tratar a infeção com recurso a antibiótico, pelo que os pais devem levar a criança ao médico.

Asma

A asma é uma doença inflamatória crónica que provoca uma obstrução generalizada das vias aéreas, originando episódios repetidos de pieira, dispneia (dificuldade em respirar), aperto torácico e tosse.
A asma constitui uma situação clínica em que se dá uma contração dos brônquios provocada por estímulos como alergénios (pólen, pelo de animais, entre outros), vírus, fumo de tabaco ou esforço físico.
Quando uma destas substâncias irritantes penetra nos brônquios, estes segregam mucosidades espessas e o diâmetro dos canais que conduzem o ar torna-se muito estreito, levando a dificuldades a respirar.

Causas
As causas mais comuns de asma são infeções virais, estímulos como alergénios (ácaros domésticos, pólen, pelo dos animais, entre outros), fumo do tabaco, poluição atmosférica e exercício físico.
Se a criança sofrer de asma crónica ou se a asma for mais do que ligeira, deve ser submetida a testes para tentar identificar as substâncias às quais é alérgica. Só após esse diagnóstico é que a criança deverá ser tratada.

Sintomas
– Pieira
– Dificuldade em respirar
– Tosse (sobretudo de noite ou depois de fazer exercício)
– Aperto torácico recorrente

Tratamento
A asma requer tratamento a longo prazo e a forma de a tratar depende da gravidade das crises. O diagnóstico e a avaliação do tratamento adequado cabem ao médico assistente. Para aliviar os sintomas, deve administrar à criança os medicamentos prescritos pelo médico assistente, que podem variar desde broncodilatadores, corticoides inalatórios/orais e antileucotrienos.
Para prevenir ataques de asma evite expor a criança aos fatores agravantes (pó, pólen, pelos dos animais, fumo do tabaco, etc.). Reduzir o pó em casa, aspirando e passando com um pano húmido em vez de varrer, e limpar o pó com um pano seco, são algumas das medidas que ajudam a prevenir problemas.
A asma pode exigir que a criança passe a usar medicamentos preventivos diariamente e para toda a vida. No entanto, também é possível que os sintomas desapareçam com a idade.

B

Bronquite

A bronquite é uma inflamação da mucosa das principais vias respiratórias que levam aos pulmões.

Causas
Pode surgir no decorrer de uma constipação, gripe ou garganta irritada, significando que a infeção se alastrou.

Sintomas
– Pingo no nariz
– Tosse irritativa
– Febre ligeira
– Ligeiro assobio

Tratamento
Deve consultar um médico se a criança não melhorar passados dois dias ou se cuspir uma expetoração amarelo-esverdeada. Caso a criança apresentar sinais de alarme como esforço a respirar, cor azulada em torno da boca, língua e cara, respiração ruidosa ou sonolência anormal, deve recorrer a um serviço de urgência imediatamente.

Bronquiolite

A bronquiolite é uma infeção viral que provoca a obstrução dos pequenos brônquios (bronquíolos). As crianças com menos de doze meses são as mais afetadas pela bronquiolite, que é nesta fase uma causa muito frequente de internamentos. A duração das bronquiolites é curta (geralmente dois a três dias) mas, enquanto não passa, a criança deve ser mantida sob vigilância.

Causas
A bronquiolite é causada por um vírus e é mais frequente no inverno. Geralmente, a criança passa por uma constipação banal nos dias anteriores.

Sintomas
– Dificuldades em respirar (sobretudo à saída do ar)
– Pieira
– Corrimento nasal
– Febre (nem sempre)
– Respiração rápida
– Pieira
– Tosse

Tratamento
Atualmente, não há medicação para matar o vírus que provoca a bronquiolite. A maior parte das crianças pode ser tratada em casa, com cuidados semelhantes aos que se prestam face a uma constipação. Para tentar diminuir a obstrução, deve facilitar a ventilação, colocando a criança em posição semi-sentada, de forma a que não seja tão cansativo para ela respirar. Fazer nebulizações com soro fisiológico quatro a seis vezes por dia também ajudará a aliviar os sintomas. É ainda indispensável manter uma correta hidratação, oferecendo água em abundância para que as secreções fiquem mais fluidas. Em geral, a criança começa a melhorar ao fim de uma semana.
Apesar de a maioria dos casos de bronquiolite não serem graves, deve procurar o médico assistente se o seu filho não melhorar nas 24 horas seguintes aos primeiros sintomas. Da mesma maneira, deve recorrer ao médico se a criança demonstrar grandes dificuldades em respirar, uma diminuição significativa do apetite nas últimas duas ou três refeições, a fralda seca durante doze horas ou mais, e febre persistente.

C

Constipação

A constipação é uma das doenças mais vulgares na criança. É uma infeção das vias respiratórias superiores (nariz, garganta e cordas vocais) que provoca irritação no nariz e na garganta. Apesar de ser muito comum e de não ser uma doença grave, a constipação deve ser alvo de atenção, sobretudo nos bebés e crianças pequenas, devido ao risco de sequelas nos pulmões ou nos ouvidos.
Se para além dos sintomas de uma constipação normal, a criança apresentar erupções na pele, pode ter uma doença infeciosa como o sarampo ou a rubéola.

Causas
A constipação é causada por vírus e normalmente transmite-se de pessoa para pessoa, através do contacto com as secreções respiratórias da pessoa infetada.

Sintomas
– Nariz entupido e vermelho
– Corrimento nasal intenso
– Espirros
– Lacrimejo
– Dor de garganta
– Mal-estar geral
– Tosse
– Dor de cabeça

Tratamento
A constipação pode curar-se de forma espontânea, sem medicamentos, em poucos dias. Para minimizar os sintomas, a criança deve estar em repouso, evitar a exposição a correntes de ar e alterações bruscas de temperatura, e deve beber líquidos com frequência (água, infusões, chá). É também importante que não se fume ao pé da criança.
Para aliviar a congestão nasal, pode aplicar gotas de soro fisiológico no nariz. Se a criança tiver febre ou dor de cabeça, poderá dar-lhe xarope de paracetamol. Não administre aspirina a uma criança com febre.
Limpe o nariz da criança com frequência para evitar que o pingo ou ranho fiquem junto das narinas. Se a área do nariz ficar irritada, vermelha e gretada, ponha um pouco de vaselina por baixo do nariz e à volta das narinas.
Mantenha o quarto da criança aquecido mas não deixe o ar ficar demasiado seco.

Convulsões febris

As convulsões febris são contrações violentas, involuntárias e repetidas dos músculos, que podem surgir em qualquer quadro infecioso. Normalmente, as convulsões não duram mais de 5 a 10 minutos e param de forma espontânea (após a convulsão, a criança dorme durante cerca de 15 a 30 minutos). As convulsões afetam sobretudo crianças entre os três meses e os cinco anos de idade e não causam lesões no cérebro, epilepsia ou atraso mental.

Causas
A maior parte das convulsões febris ocorrem nas primeiras 24 horas de uma doença, normalmente quando a febre está a subir. Doenças associadas a febre alta, constipações e infeções virais podem desencadear uma convulsão febril.

Sintomas
– Perda de sentidos
– Revirar dos olhos
– Corpo rígido
– Contração dos músculos
– Pernas e braços a tremer
– Lábios roxos
– Espumar da boca

Tratamento
Face a uma convulsão febril, é importante não entrar em pânico. Não deve colocar nada na boca da criança, mas sim colocá-la de lado, para evitar que esta se engasgue. Caso já tenha havido episódios anteriores de convulsão, aplique o medicamento prescrito pelo médico para essas situações. Se a criança tiver febre, introduza-lhe um supositório e recorra ao serviço de urgência mais próximo.
Há um conjunto de sinais de alarme perante os quais deve recorrer sempre a um serviço de urgência:
– Se a convulsão for prolongada (durar mais de 15 minutos)
– Se os movimentos ocorrerem só de um lado ou se, após a crise, a criança só mexer um lado
– Se a criança não acordar 30 minutos após a crise
– Se a febre não baixar após terem sido tomadas medidas
– Se tiver mais do que uma crise no mesmo dia

Conjuntivite

A conjuntivite é uma inflamação da membrana fina e transparente que cobre a região branca do olho.

Causas
Pode ser provocada por um vírus ou por uma bactéria. Quando a infeção é bacteriana, normalmente surge corrimento purulento e, ao acordar, os olhos da criança podem estar colados com pus. A conjuntivite também pode ser causada por uma alergia, como a rinite alérgica, pelo contacto com o pó, ou por uma pestana dentro do olho.

Sintomas
– Olho vermelho
– Dor e sensação de que tem areia/corpo estranho no olho
– Pus
– Sensação de pálpebras coladas (no caso da conjuntivite bacteriana)
– Prurido e lacrimejo (na conjuntivite alérgica ou viral)

Tratamento
A forma de tratar a conjuntivite varia de acordo com a causa, e se esta não passar naturalmente, deve recorrer ao médico. Caso a origem seja bacteriana, é necessária a aplicação de um antibiótico tópico (aplicado diretamente no olho várias vezes por dia). Quando a origem é uma alergia, deve ser usado um antialérgico tópico, caso a origem seja uma alergia. É também importante manter os cuidados de limpeza das mãos, de forma a evitar o contágio entre os familiares.

Conjuntivite neonatal

Existe uma forma mais grave de conjuntivite, a conjuntivite neonatal, que pode afetar os bebés com menos de 28 dias de vida.

Causas
Pode ocorrer devido ao facto de a mãe ter uma infeção sexualmente transmissível, como clamídia ou gonorreia.

Tratamento
Se notar vermelhidão nos olhos do bebé, deve contactar o médico assistente. Na maior parte das vezes, a conjuntivite nos bebés não é perigosa, mas existe um risco reduzido de complicações, caso não seja devidamente tratada.

D

Dermatite da fralda

A dermatite da fralda, também conhecida por eritema da fralda ou vulgo assadura, é a inflamação da pele da zona coberta pela fralda.

Causas
A principal causa de dermatite da fralda, comum nos recém-nascidos, é o contacto prolongado e a exposição à urina e fezes, que provocam uma reação irritativa e dano na pele. Há bebés que têm maior tendência para desenvolver dermatite da fralda, mas normalmente o problema desaparece pela altura em que largam as fraldas.

Sintomas
Vermelhidão ou eritema nas zonas que entram em contacto direto com a fralda e, por vezes, das pregas.

Tratamento
Deve lavar-se gentilmente a pele da zona afetada, apenas com água, evitando o uso de sabonetes ou toalhitas de limpeza. Mudar a fralda com frequência, entre seis a oito vezes por dia, é um dos cuidados mais importantes para tratar e prevenir a inflamação. Utilize um creme barreira para hidratar a pele.

E

Eczema

O termo eczema designa as lesões da pele que aparecem como áreas vermelhas e a escamar, com muito prurido, e formação de pequenas vesículas debaixo da pele.
Normalmente, estas lesões afetam a cara e as pregas da pele, mas podem alastrar-se a outras partes do corpo. Por norma, o eczema aparece pela primeira vez entre os três meses e os dois anos de idade, melhorando à medida que a criança cresce.
Geralmente, a partir dos seis anos a criança deixa de ter eczema. Por vezes, a origem do eczema está também em medicamentos, como pomadas, cremes, e mesmo medicamentos para tratar o próprio eczema. Se usar uma pomada para o eczema e esta não tiver surtido efeito ao fim de alguns dias, é preferível suspendê-la.

Causas
A causa mais comum de eczema é a dermatite atópica, de origem alérgica.

Sintomas
– Comichão
– Áreas de pele vermelha, esfolada e com manchas
– Exsudação (aparecimento de líquido lamacento)
– Aparecimento de pequenas vesículas debaixo da pele

Tratamento
O eczema não tem cura, mas os sintomas podem ser minimizados através de medidas de conforto e recurso a medicamentos. Quando der banho à criança, limpe as zonas afetadas com um sabonete suave, sem esfregar, e considere a utilização de uma loção de banho emoliente, sem perfume, que amacie a pele.

Escarlatina

A escarlatina é uma doença infetocontagiosa que provoca febre, amigdalite e manchas no corpo.

Causas
A escarlatina é provocada por um estreptococo (bactéria). É uma doença muito contagiosa, sendo transmitida sobretudo pela inalação de gotículas de saliva em suspensão da pessoa infetada quando esta tosse ou espirra, ou pelo contacto com objetos contaminados por estas secreções (loiça, brinquedos, etc.)

Sintomas
– Febre alta
– Dor de garganta
– Dor ao engolir
– Dor de barriga e por vezes vómitos
– Manchas avermelhadas na pele, que pode ficar áspera

Tratamento
O tratamento da escarlatina faz-se através de um antibiótico oral, pelo que deve sempre consultar o médico assistente para saber qual o tratamento mais adequado. Se a criança tiver febre, deve ser-lhe administrado um antipirético. Após 24 horas do início da toma do antibiótico, a doença deixa de ser contagiosa. É muito importante administrar o antibiótico até ao fim, para evitar uma recaída, causar complicações ou contribuir para que se crie resistência ao antibiótico.
Outras medidas que podem aliviar os sintomas passam por hidratar convenientemente a criança, dando-lhe bastante água, sumos (evite sumos muito ácidos, como o de laranja ou a limonada) e sopa. Opte também por dar-lhe alimentos triturados, como purés ou iogurtes, em pequenas quantidades de cada vez, várias vezes por dia.

G

Gastroenterite

A gastroenterite (intoxicação alimentar) é uma infeção do estômago e dos intestinos, que pode ser causada pela ingestão de comida estragada.

Causas
É causada sobretudo por vírus e por bactérias, nomeadamente a salmonela, existente em alimentos com ovos, leite e derivados.

Sintomas
– Vómitos e náuseas
– Diarreia
– Cólicas de estômago
– Perda de apetite
– Febre

Tratamento
O cuidado mais importante no tratamento da gastroenterite é prevenir a desidratação. Se a criança tiver vómitos frequentes, não deve comer nada até parar de vomitar. Durante este período, poderá beber água em pequenas quantidades ou administrar soluções de hidratação oral (informe-se numa farmácia). Se tiver diarreia, é importante administrar pequenas quantidades de soro oral após cada dejeção.
Quando a criança voltar a tolerar os líquidos, reinicie os alimentos sólidos em pequenas quantidades. Aos bebés com mais de quatro meses, podem ser dadas papa de arroz, cenoura, maçã cozida ou banana. Os bebés alimentados com leite materno devem manter a amamentação, e os bebés alimentados com leite artificial devem retomar a ingestão do leite em pequenas quantidades e mais vezes por dia.
Se a criança apresentar diarreia abundante, sem melhorias após três dias, vómitos persistentes, sinais de desidratação ou febre elevada, deve ser observada por um médico.

Gripe

A gripe é uma doença fortemente contagiosa causada por centenas de vírus diferentes.

Causas
Tende a surgir como uma epidemia, quando aparece um novo tipo de vírus contra o qual as pessoas ainda não estão imunes.

Sintomas
– Febre alta
– Arrepios de frio
– Cefaleias
– Dores musculares
– Nariz a pingar
– Mal-estar geral
– Tosse
– Dores de garganta

Tratamento
Se a criança tiver febre, poderá ser-lhe administrado um antipirético. Dê-lhe líquidos em abundância e, no caso de ainda se um bebé, deve ser-lhe dada água fresca, fervida. Se a área do nariz do seu filho ficar irritada, vermelha e gretada, ponha um pouco de vaselina por baixo do nariz e à volta das narinas.

O

Otite

A otite é uma infeção dos ouvidos, geralmente provocada por um vírus ou bactéria.

Causas
Pode resultar de um uso excessivo da chucha ou do facto de o bebé mamar ou tomar o biberão de forma incorreta (na horizontal em vez de semi-sentado).

Sintomas
– Febre
– Dor no ouvido
– Corrimento do ouvido

Tratamento
A administração de um antipirético ajudará a reduzir a dor e baixar a febre. A criança deve sempre ser observada por um médico, que após analisar o historial clínico e fazer uma otoscopia, decidirá se há necessidade ou não de prescrever um antibiótico oral.

M

Meningite

A meningite é uma infeção que afeta as meninges (no cérebro).

Causas
Pode ser causada por um vírus (situação mais frequente) ou por bactérias. Os bebés e as crianças com menos de cinco anos de idade apresentam um maior risco de desenvolver meningite bacteriana.

Sintomas
– Febre
– Cefaleias
– Dor no pescoço
– Vómitos
– Convulsões
– Rigidez da nuca
– Delírio
– Sonolência
– Paralisias
– Podem surgir também manchas no corpo

Tratamento
Todos os casos suspeitos de meningite devem ser encarados como uma emergência médica. A meningite bacteriana pode provocar uma septicémia (invasão microbiana do sangue), que pode ser fatal. Normalmente, a doença é tratada com antibiótico e prescrição de soros endovenosos.

P

Papeira

A papeira é uma infeção que provoca o inchaço dos gânglios.

Causas
É provocada por um vírus e é contagiosa, passando de pessoa para pessoa através da tosse, espirros e saliva, bem como através do contacto com objetos e superfícies contaminados.

Sintomas
– Dor ao mastigar
– Dor de garganta
– Dificuldade em engolir
– Temperatura elevada

Tratamento
Para reduzir a febre e proporcionar algum alívio da dor, pode ser administrado um antipirético. Devem ser dados à criança líquidos em abundância, evitando-se as bebidas ácidas, como sumos de fruta, que estimulam as glândulas salivares. Uma dieta mole para reduzir a necessidade de mastigação ajudará a combater os desconfortos. Nunca de se deve administrar aspirina a uma criança.

R

Rubéola

A rubéola é uma doença eruptiva benigna, muito contagiosa, parecida com o sarampo e com a escarlatina.

Causas
A rubéola é causada por um vírus, mas atualmente é uma doença rara, graças à vacinação. Quando ocorre na gravidez, a rubéola pode ter consequências graves para o feto, originando malformações congénitas.

Sintomas
– Erupções na pele
– Inflamação dos gânglios linfáticos, principalmente atrás das orelhas e na nuca
– Febre

Tratamento
Beber muitos líquidos e, em caso de febre, tomar um antipirético.

S

Sapinhos

A candidíase oral, também conhecida por “sapinhos”, é uma inflamação da mucosa bucal produzida por um fungo (Candida albicans).

Causas
Nos primeiros dois a três meses de vida, os bebés produzem pouca saliva e, por isso, o ambiente da boca é mais propício à infeção por este fungo. Tetinas ou chupetas mal esterilizadas podem ser outra das causas de “sapinhos”. A candidíase oral não representa qualquer perigo, mas pode ser incómoda para o bebé e levar a que este se recuse a comer, pelo que deve ser tratada.

Sintomas
– Manchas brancas na boca, sobretudo na parte de dentro das bochechas;

Tratamento
Geralmente, os “sapinhos” tratam-se com antifúngicos. Se o bebé estiver a ser amamentado, é conveniente a mãe lavar bem o peito e aplicar ela própria uma pomada antifúngica após cada mamada, já que a mama pode ser um dos reservatórios dos fungos.

Sarampo

O sarampo é uma doença febril eruptiva, infeciosa e muito contagiosa, que atinge especialmente as crianças.

Causas
É causado por um vírus (paramixovírus), que se transmite através do contacto direto com gotículas das secreções nasais libertadas na tosse e nos espirros de uma pessoa infetada. Atualmente é uma doença rara, graças à vacinação.

Sintomas
– Corpo coberto de pintas vermelhas
– Erupções na pele
– Tosse
– Febre
– Conjuntivite

Tratamento
O tratamento faz-se através da ingestão de líquidos em abundância e da toma de um antipirético para baixar a febre. A criança deve ser observada por um médico se tiver dor nos ouvidos, dor torácica, falta de ar e se continuar com febre após quatro ou cinco dias.

V

Varicela

A varicela é uma doença febril, infetocontagiosa e geralmente benigna, que se manifesta pelo aparecimento de pápulas, vesículas (bolhas de água) e crostas, na pele, couro cabeludo, genitais e boca.

Causas
É provocada pelo vírus Herpes vírus varicellae.

Sintomas
– Pintas e manchas vermelhas
– Prurido
– Febre
– Mal-estar geral

Tratamento
Se a criança tiver febre, deve ser-lhe administrado um antipirético. Nas lesões mais inflamadas, deve ser aplicado um desinfetante. As unhas da criança devem ser cortadas para evitar qualquer infeção ao coçar. Um banho diário com emoliente ajudará a aliviar o prurido. Após dois ou três dias de doença, as vesículas que causam prurido transformam-se em crostas escuras que desaparecem ao fim de oito dias.

Referências bibliográficas
MARQUES, Jorge Sales – O que os pais devem saber de pediatria. Educação Nacional, 2009. ISBN 978-972-659-475-8.
FENWICK, Elizabeth – O Grande Livro da Mãe e do Bebé. 3ª edição revista. Lello Editores, 1999. ISBN 972-48-1679-6.