Estudo defende que as crianças que usam uniforme escolar não demonstram ter uma maior capacidade de aprender ou comportar-se na escola, além de que relatam ter menos “sentido de pertença e espírito escolar” do que as crianças que não usam farda obrigatória.
Texto: Ana Margarida Marques | Fotografia: Shutterstock

Muitos pais e professores consideram que os uniformes escolares são uma forma de evitar a distração e a competição entre crianças no ambiente escolar.

Contudo, um novo estudo realizado nos Estados Unidos concluiu que o uso de uniforme escolar per si não produz efeitos no comportamento das crianças.

As conclusões tiveram por base a análise de dados de 6.300 crianças, em escolas públicas e escolas privadas, desde o jardim-de-infância até ao ensino básico.

Os resultados estão publicados online na revista Early Childhood Research Quarterly.

Fardas podem ser entrave para a individualidade

“Os estudantes do ensino básico nas escolas com uniformes não apresentam quaisquer diferenças consistentes no compromisso, resultados sociais ou comportamentais quando comparados com os estudantes em escolas sem uniformes”, avança à UPI a autora do estudo Arya Ansari, professora assistente de Ciências Humanas na Universidade Estatal de Ohio.

Mas houve uma diferença fundamental: os alunos que usavam o uniforme obrigatório relataram “menos sentido de pertença e espírito escolar” relativamente aos dos seus pares que frequentam escolas sem requisitos de farda.

“A moda é uma forma de os estudantes se expressarem, e isso pode ser uma parte importante da experiência escolar”, explica Arya.

“Quando os estudantes não conseguem mostrar a sua individualidade, podem não sentir que pertencem tanto”, acrescenta.

Política de farda apontada no mais como uma tradição

Mary Miele, especialista em aprendizagem e consultora em educação em Nova Iorque, explicou à UPI que tem havido muitos debates sobre se os uniformes acrescentam ou diminuem a capacidade de um estudante de aprender e comportar-se na escola.

“O estudo demonstrou resultados que sugerem que os uniformes não criam um estudante mais concentrado, mais coeso com os seus pares, e com um sentido de identidade mais forte”, avança Miele, autora de Supporting School: A Guidebook for Parents and Educators.

“Não é surpreendente que uma simples política de uniforme não crie resultados de aprendizagem positivos”, comenta a autora.

Miele adiciona que, ainda assim, usar um uniforme é uma tradição para muitas escolas e difícil de mudar.