Estudos mostram que reduzir o tempo de ecrã e promover atividades ao ar livre contribui para diminuir o risco de desenvolver miopia na infância.
Ana Margarida Marques

Segundo a Organização Mundial da Saúde metade da população mundial terá miopia em 2050.

Diversos estudos demonstram que a pandemia tem aumentado os casos de miopia, em particular de crianças e jovens. 

Em entrevista ao Expresso, Pedro Menéres, membro da Direção da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia, adverte para “o crescimento da miopia em grau e para o aumento da incidência deste tipo de erro refrativo em idades cada vez mais precoces.”

Segundo um estudo, publicado na revista The Lancet em abril, e levado a cabo na Argentina, entre 2019 e 2020, os casos de miopia dispararam entre crianças e jovens, com idades entre os cinco e os 18 anos. 

A investigação demonstra que a incidência de miopia cresceu 40% durante o confinamento, altura em que as crianças ficaram mais expostas a ecrãs e passaram menos tempo a fazer atividades ao ar livre. 

Durante a pandemia de covid-19 as crianças estão sujeitas a uma menor exposição ao ar livre que, quando bem doseada, permite evitar problemas degenerativos da retina, refere o estudo.

Outro artigo publicado em janeiro na revista JAMA Ophthalmology avança que os confinamentos em casa durante a pandemia da covid-19 levaram ao aumento da miopia em crianças em idade escolar, em particular dos seis aos oito anos de idade.

Os autores do estudo salientam que as crianças mais novas encontram-se num período crítico para o desenvolvimento da miopia.

Passar muito tempo em casa pode prejudicar saúde ocular

Num artigo o Professor na Universidade de Bradford, no Reino Unido, Neema Ghorbani Mojarrad, explica que, embora a miopia possa ser de origem genética, existem outros fatores de risco, como passar demasiado tempo dentro de casa.

“A investigação mostra que o tempo que uma criança passa ao ar livre pode desempenhar um papel significativo no seu risco de desenvolver miopia”, aponta o especialista.

Segundo o Professor na Universidade de Bradford, a maioria dos estudos mostra que as crianças que passam mais tempo ao ar livre têm menos probabilidades de desenvolver miopia.

Mais, as crianças que passam mais tempo ao ar livre durante o horário escolar têm uma taxa de início da miopia menor em comparação com aquelas que não passam tanto tempo ao ar livre durante as rotinas escolares. 

Níveis mais elevados de luz libertam mais dopamina nos recetores da retina

“Uma teoria é que os níveis mais elevados de luz no exterior libertam mais dopamina nos recetores da retina (os nervos que processam os sinais de luz no olho), protegendo assim contra a miopia”, refere o autor.

“Outra sugestão é que a maior quantidade de atividade física que as crianças costumam ter ao ar livre impede a miopia”, acrescenta.

Também tem sido apontado que diferentes padrões e detalhes que visualizamos nos espaços exteriores versus interiores podem influenciar o aumento da miopia, refere o Professor na Universidade de Bradford.