Fique com as principais recomendações da Sociedade Portuguesa de Pediatria para uma proteção solar adequada durante o verão.
Ana Margarida Marques

Para além de estimular a produção de vitamina D, o sol tem importantes funções no organismo e aumenta a sensação de bem-estar, de acordo com um artigo recentemente publicado pela Sociedade Portuguesa de Pediatria.

No entanto, a SPP alerta: “As crianças são mais sensíveis às radiações solares do que os adultos, ficando vermelhas e queimando mais facilmente. Isto acontece porque a sua pele é mais fina e sensível e porque o processo de pigmentação da pele, que lhe confere alguma proteção, está ainda pouco desenvolvido.”

Fique com as principais medidas de proteção solar aconselhadas pela SPP para proteger as crianças durante o verão.

  1. Usar roupas frescas, chapéu e óculos de sol
    É importante que a criança vista roupas frescas, idealmente de mangas compridas. É indispensável o uso de um chapéu, preferencialmente de abas. Proteja os olhos da criança com óculos de sol com filtro UV.

2. Aplicar um protetor solar adequado

  • de largo espectro (bloqueador da radiação UVA e UVB)
  • com um SPF 50+ 
  • resistente à água e à fricção 
  • que não se associa a alergias de contacto

3. Manter a criança hidratada

Tenha sempre água fresca disponível para manter a criança hidratada ao longo do dia. Para além dos efeitos nocivos da radiação UV solar na pele, as crianças são também mais sensíveis que os adultos ao calor e têm maior risco de desidratação.

4. Evitar o sol entre as 11h e as 16h

Mesmo implementando as medidas de proteção recomendadas, nos meses de verão as crianças não devem estar na praia entre as 11h e as 16h. As queimaduras solares podem causar danos cutâneos irreversíveis, resultando anos mais tarde em pele frágil, precocemente envelhecida e com risco de tumores cutâneos. 

5. Atenção aos dias de calor

Nos dias de maior calor as famílias devem evitar ao máximo a exposição ao sol. A radiação ultravioleta é refletida nas superfícies claras e espelhadas, como a areia branca, a água e a neve. Na praia, mesmo dentro de água ou na sombra de um chapéu de sol, a criança não está totalmente protegida da ação dos raios ultravioleta.

Mais informações: Sociedade Portuguesa de Pediatria