Cuidados a ter com a chucha

Existem algumas considerações em relação ao uso da chupeta. O principal conselho é que haja bom senso por parte dos pais e respeito pela criança.

Ana Margarida Marques
Há bebés que nunca usaram uma chupeta, outros que precisam dela em momentos-chave do dia (por exemplo, durante o sono ou numa birra) e ainda outros que dependem da chucha praticamente para tudo o que fazem. Especialistas recomendam alguns cuidados no uso da chucha.

Interferência da chucha no início da amamentação

Hoje em dia existem opções no mercado com o “formato anatómico do seio materno”, normalmente apresentadas como sendo mais “fisiológicas” e “ergonómicas”.

Os especialistas alertam que a introdução precoce da chucha pode interferir no processo de amamentação, porque confunde o bebé relativamente à pega na mama de forma adequada (nipple confusion).

“Para aqueles pais cuja escolha seja a chucha, é importante que deixem o bebé, pelo menos, agarrar-se primeiro à mama”, aconselha Maria João Alvito, fisioterapeuta e formadora de instrutores de massagem infantil. “Quando essa fase for conquistada, pode-se passar a uma etapa seguinte”, aconselha.

“Colocar a chucha logo na mala da maternidade é uma pressão social”, entende Maria João Alvito. “Quando surgem as questões relacionadas com as chuchas, costumo dizer aos pais que se o bebé ficasse no útero da mãe mais tempo – e sabemos que hoje os bebés nascem muito precocemente, já que muitos partos são induzidos – o que tinha ele para sugar?” – O bebé não deixa de chuchar por não ter uma chupeta.

Como explica a terapeuta da fala Teresa Sameiro, por parte de cada bebé há sempre uma resposta diferente, mas geralmente os bebés resistem à chucha. “Normalmente um bebé que é amamentado rejeita a chucha. Os grandes adeptos da chucha são os bebés alimentados a biberão”, avança.

Chucha não deve ser a única forma de acalmar a criança

A chucha deve ser usada com moderação para que a criança não venha a depender unicamente dela como forma de se acalmar, garante a Maria João Alvito.

Dar a chucha de forma continuada pode revelar um comportamento de intolerância ao choro por parte dos pais. “Um bebé que não chora não é saudável. O choro é uma necessidade vital, tal como o sorrir”, diz Maria João Alvito.

A chucha deve ser usada nos momentos de transição em que o bebé está muito irritado e cansado.

É importante que os pais encontrem outras formas de tranquilizar a criança.

Por exemplo, dar uma voz de conforto, um reforço positivo, colo, o bebé eleger um objeto que lhe transmita confiança (boneco ou fralda), ligar uma caixa de música.

“Com o crescimento, a criança vai ela própria encontrar outras formas de se confortar”, acrescenta Maria João Alvito.

SABIA QUE…
  • A introdução precoce da chucha pode interferir no processo de amamentação.
  • A chucha deve ser usada com moderação para que a criança não venha a depender unicamente dela como forma de se acalmar.
  • É importante encontrar outras formas de tranquilizar a criança.
  • Por exemplo, dar uma voz de conforto, um reforço positivo, colo, o bebé eleger um objeto que lhe transmita confiança (boneco ou fralda), ligar uma caixa de música.