Os nascimentos de gémeos aumentaram um terço a nível mundial. As principais razões apontadas são gravidez medicamente assistida e idade tardia das mães.

Desde 1980, os nascimentos de gémeos aumentaram um terço a nível mundial – de 9 para 12 por cada mil partos. Cerca de 1,6 milhões de gémeos nascem todos os anos e um em cada 42 bebés é um gémeo.

Uma razão é o aumento da reprodução medicamente assistida, incluindo a fertilização in vitro, a terapêutica hormonal para estimular os ovários e a inseminação artificial.

Outra é que as mulheres em muitos países estão a ter bebés em idades mais avançadas. As probabilidades de ter gémeos aumentam com a idade, segundo o estudo publicado a 12 de Março na revista Human Reproduction.

Números aumentam na Europa, América do Norte e Ásia

“O número absoluto de partos de gémeos aumentou em todo o lado, exceto na América do Sul”, segundo o autor do estudo Christiaan Monden, professor de sociologia e demografia na Universidade de Oxford, em Inglaterra.

“Na América do Norte e em África, os números aumentaram mais de 80%, e em África este aumento é quase inteiramente causado pelo crescimento da população”.

Para o estudo, os investigadores analisaram dados de 2010-2015 de 165 países com 99% da população mundial. Foram também estudados os dados de 1980-1985 de 112 países. 

Os autores apuraram que existem aumentos substanciais de nascimentos de gémeos em muitos países europeus, na América do Norte e na Ásia.

Em 74% dos 112 países com dados de ambos os períodos, o aumento foi superior a 10%. 

A Ásia registou um aumento de 32% e a América do Norte um aumento de 71%. Apenas sete países tiveram um decréscimo de mais de 10%.

Os autores pensam que as taxas de gémeos podem ter atingido o seu pico – particularmente na Europa e América do Norte – devido à ênfase crescente na reprodução assistida.