Isabel Stilwell
Jornalista

De que são feitas as boas avós?

Fev 25, 2021 | Isabel Stilwell, Opinião | 0 comments

As boas avós estão apaixonadas pelos netos. Podem disfarçar, mas a verdade é que quando eles entram numa sala não conseguem ver mais nada.

Há uns tempos, antes da Covid nos ter fechado em casa,  eu e a minha filha Ana estivemos sentadas em fardos de palha numa festa da Barral, à sombra de umas árvores a conversar sobre aquilo de que são feitas as boas avós. As mães e avós da assistência foram fazendo perguntas, nalguns casos com os netos ao colo ou passarinhando por ali, perguntas de quem sabe mesmo que a realidade é, por vezes, bem diferente daquilo que vem nos livros. E, em conjunto, concluímos que as boas avós são, pelo menos, as quinze coisas que se seguem.

  1. As boas avós estão apaixonadas pelos netos. Podem disfarçar, mas a verdade é que quando eles entram numa sala não conseguem ver mais nada.
  2. As boas avós têm um bocadinho de ciúmes de não serem elas as mães, mas são capazes de afastar a inveja, rindo-se de si próprias. E acima de tudo resistindo a concorrer com as mães. 
  3. As boas avós esforçam-se a sério por aceitar que muitas coisas mudaram para melhor desde o tempo em que foram mães. Por exemplo, estão felizes pelas cadeirinhas nos automóveis, mesmo quando ficam com as costas feitas num oito a sentar lá os netos e não se entretém a repassar e.mails idiotas que dizem como era bom andarem todos aos saltos na bagageira.
  4. As boas avós não aceitam todas as modas da educação sem pensar. E quando não concordam argumentam, resistindo à tentação de tornar o assunto pessoal. 
  5. As boas avós, insistiu a Ana, se têm alguma crítica a fazer aos pais dos seus netos, fazem-na… aos seus filhos e filhas e não a noras e genros. Eles que decidam depois o que fazer com a informação que receberam.
  6. As boas avós não aparecem em casa dos netos sem avisar, como se a casa fosse sua. Mas têm sempre aberta a porta da sua.
  7. As boas avós não dizem “Aí comigo não fazem birras”. Nem com a desculpa de que é para consolar os pais, só para lhes garantir que aquelas crianças sabem ser muito bem comportadas quando querem. 
  8. As boas avós são um bocadinho malucas, e é a felicidade com que descobrem essa sua faceta desconhecida que as torna irresistíveis para os netos.
  9. As boas avós têm histórias de quando os filhos eram pequeninos para contar aos netos (e desenhos e fotografias e caracóis do seu cabelo guardadas em caixinhas).
  10. As boas avós têm muita paciência para os netos, provavelmente mais do que tinham para os filhos, mas não têm paciência para tudo. E quando se cansam podem fazer um intervalo de ser avós, sem culpas.
  11. As boas avós têm vida própria. Profissão e carreira de que gostam. E falam dela com entusiasmo aos netos, mostrando-lhes que quando se adora o que se faz, o trabalho não é uma seca.
  12. As boas avós não contrapõem birras às birras dos filhos e dos netos. Pelo menos esforçam-se por isso.
  13. As boas avós zangam-se, mas não amuam, nem recusam um pedido de desculpa. 
  14. As boas avós lutam pelos netos. Quando a insensatez dos pais os leva a disputar os filhos, não tomam o partido do “seu”, alimentando a guerra, preferindo apaziguar e construir pontes (mesmo que engulam sapos). E exigem que em sua casa a lealdade dos netos não se sinta posta em causa. Mas também se chegam à frente, buscando-os incansavelmente quando a irracionalidade leva a que os afastem deles.
  15. As boas avós são gratas e ensinam os netos a sê-lo também. E agradecem todos os dias por serem avós.